A VONTADE DE DEUS E O LIVRE-ARBÍTRIO

Vontade de Deus: Que todos venham a arrepender-se.(2Pe 3.9; At 3.19; Mc 6.12; Lc 13.5; Ap 2.5; 13.19; At 17.30; etc.)
Livre-arbítrio: Direito de se fazer escolhas sem interferência de terceiros. (Dt 30.19; Pv 16.16; Is 7.15; Sl 25.12; Gn 27.46).
Deus não interfere em nossas decisões. No entanto, nos adverte quanto aos resultados das mesmas. (Mt 7.13-14; Lc 13.24;). 
Deus deu aos humanos a oportunidade de fazer escolhas que realmente afetam o seu destino, então sim, os seres humanos têm um livre-arbítrio. O estado de pecado no mundo está diretamente associado às escolhas que Adão e Eva fizeram. Deus criou o homem à Sua própria imagem, e isso inclui a capacidade de escolher.
No entanto, o livre-arbítrio não significa que a humanidade possa fazer qualquer coisa que lhe agrade. Nossas escolhas são limitadas ao que esteja em sintonia com a nossa natureza. Por exemplo, um homem pode escolher atravessar ou não uma ponte, o que ele não pode escolher é voar sobre a ponte — a sua natureza o impede de voar. De forma semelhante, um homem não pode escolher tornar-se justo – sua natureza (pecaminosa) o impede de cancelar a sua culpa (Romanos 3:23). Assim, o livre-arbítrio é limitado pela natureza. Podemos então, escolher obedecer a Deus ou não. (veja Dt 28.)
Esta limitação não reduz a nossa responsabilidade. A Bíblia deixa bem claro que não só temos a capacidade de escolher, mas também temos a responsabilidade de escolher sabiamente. No Antigo Testamento, Deus escolheu uma nação (Israel), mas os indivíduos daquela nação ainda tinham a obrigação de escolher obedecer a Deus. Da mesma forma, os indivíduos de fora de Israel também podiam fazer a escolha de acreditar e seguir a Deus (por exemplo, Rute e Raabe).
Também no Antigo Testamento, Deus advertiu a Caim (Gn 4.7). O pecado estava diante dele, cabia a ele se resistiria ou não. O Senhor, mostra-nos o caminho e nos orienta, mas não nos força a obedecer-Lhe.
No Novo Testamento, os pecadores são repetidamente ordenados a “arrepende-se” e “crer” (Mateus 3:2; 4:17, Atos 3:19, 1 João 3:23). Toda chamada ao arrependimento é uma chamada para escolher. O comando a acreditar supõe que o ouvinte possa escolher obedecer ao comando.
Jesus identificou o problema de alguns incrédulos quando lhes disse: “Contudo, não quereis vir a mim para terdes vida” (João 5:40). Claramente, eles poderiam ter vindo se quisessem, o problema foi que escolheram não vir. “…pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará” (Gálatas 6:7), e aqueles que estão fora da salvação são “indesculpáveis” (Romanos 1:20-21).
Não podemos esquecer de Maria e Marta de Betânia, quando o Senhor Jesus foi visitar a família, por convite da mesma, Maria escolheu ficar junto do Mestre aprendendo a Palavra, enquanto que Marta, estava distraída com muitos serviços..(Lc 10.41). Ela fez um pedido a Jesus para que mandasse Maria ajudá-la. Jesus a corrigiu, mas não obrigou-a a ficar aos seus pés como Maria ficou por sua deliberada escolha.(Lc 10.42). A parábola do filho pródigo, nos dá uma alusão do poder de nossas escolhas. Seu pai não o mandou embora, nem o chamou de volta. Ele escolheu deixar a família, a convivência com seu pai. Também, ele escolheu voltar. Em nenhuma das situações, houve resistência por parte do pai, que mesmo triste, deixou-o livre para ir.
Entretanto, como pode o homem, limitado por uma natureza pecaminosa, escolher o que é bom? É somente através da graça e do poder de Deus que o livre-arbítrio torna-se verdadeiramente “livre” no que diz respeito à escolha da salvação (João 15:16). É o Espírito Santo que atua na e através da vontade de uma pessoa a fim de regenerá-la (João 1:12-13) e dar-lhe uma nova natureza criada “segundo Deus, em justiça e retidão procedentes da verdade” (Efésios 4:24). A salvação é obra de Deus. Ao mesmo tempo, nossas motivações, ações e desejos são voluntários e somos devidamente responsabilizados por eles.
Existem decisões que estão no campo da vontade absoluta de Deus. Por exemplo, foi Ele quem determinou o país e a família em que nasceríamos, a cor de nossos olhos e cabelos, da nossa pele, os dons e habilidades que recebemos. Por outro lado, Ele permite que usemos nossa percepção, inteligência e conhecimento da Sua Palavra para escolhermos com quem iremos casar, que carreira vamos seguir, que tipo de trabalho vamos desenvolver etc.
Deus não criou robôs. O ser humano é imagem e semelhança do Criador. Tem vontade própria, sentimentos, inteligência. Por isso, o Senhor permite que nós decidamos certas coisas que dizem respeito à nossa história. Ele acredita em nosso potencial.
Aliás, em nosso dia a dia, deparamo-nos com escolhas que nem precisamos perguntar a Deus se é de Sua vontade, tais como que roupa vestir, que carro comprar, em que bairro morar, que faculdade fazer. Somos nós que decidimos, e pronto. Podemos decidir sobre as pequenas questões da nossa vida diária, sem prejuízo algum. Outras decisões, porém, são difíceis e exigem que passemos tempo na presença de Deus orando e lendo Sua Palavra, para discernirmos o que fazer, como fez Daniel.
O problema é que existem pessoas que tendem para um dos extremos: ou perguntam tudo a Deus, ou não perguntam nada.
As que perguntam tudo costumam não decidir absolutamente nada sem saber a vontade específica de Deus e pedir que Ele oriente todos os passos que elas precisam dar. Se Ele fica em silêncio ou elas não entendem Sua vontade, passam anos e anos esperando uma confirmação visível e audível de Deus antes de se decidirem por algo. Tudo poderia ser resolvido se lembrassem que Deus nos deu sentimentos, desejos, consciência, razão e Sua Palavra para nos ajudar a tomar decisões com sabedoria e segurança.
As pessoas que não consultam Deus para nada são as que se estribam em seu próprio entendimento, sentimento e vontade. Elas costumam ser precipitadas e tolas, não dando ouvidos a ninguém ou dando a pessoas erradas, em vez de usarem a Palavra de Deus como parâmetro e bússola, que as levará ao porto desejado mais rápido, com segurança e bom êxito. 
Vou exibir abaixo algumas referências bíblicas, implacáveis, sobre a *decisão de analisar continuamente os resultados das suas escolhas e de seus esforços.
Por exemplo: 
A notoriedade é uma escolha. Todos possuem uma aspiração latente de alcançar significância, reconhecimento e honra. Isto foi colocado por Deus dentro do homem como uma semente, objetivando mudanças, o descobrimento da sabedoria e a construção de relacionamentos úteis.
Expectativa é uma incessante e inesgotável corrente que impulsiona o homem para o seu futuro. Com este simples e reduzido comentário, sobre alguns princípios requeridos pela proeminência (a escolha de se sobressair), você possa aprender a desbloquear o potencial que está escondido dentro de você e rapidamente alterar o seu próprio ambiente.
*Um dos princípios que escolhi para expor as referências bíblicas que citei acima.
A decisão de analisar os resultados de nossas escolhas e de nossos esforços.

  • A riqueza de procedência vã diminuirá, mas quem a ajunta com o próprio trabalho a aumentará.
    Provérbios 13:11
  • Se quiserdes, e obedecerdes, comereis o bem desta terra.
    Mas se recusardes, e fordes rebeldes, sereis devorados à espada; porque a boca do Senhor o disse.
    Isaías 1:19,20
  • Digo, porém: Andai em Espírito, e não cumprireis a concupiscência da carne.
    Gálatas 5:16
  • Semeais muito, e recolheis pouco; comeis, porém não vos fartais; bebeis, porém não vos saciais; vestis-vos, porém ninguém se aquece; e o que recebe salário, recebe-o num saco furado.
    Assim diz o Senhor dos Exércitos: Considerai os vossos caminhos.
    Ageu 1:6,7

Considerar analisar continuamente, os resultados de nossas escolhas, é um ato de sabedoria. Ora, o que é sabedoria?

  • Sabedoria é a capacidade de discernir a diferença entre ambientes, momentos e pessoas
  • Sabedoria é a melhor arma para você vencer as batalhas
  • Sabedoria é a solução bíblica para nossos problemas
  • Sabedoria é saber aplicar a Palavra de Deus para sanar problemas
  • Sabedoria é a capacidade de antecipar-se aos problemas [trecho tirado do livro: 1.001 Chaves de Sabedoria, Dr. Mike Murdock]

Como obter sabedoria: (Tg 1.5-6)




(há uma condição,”se”. A escolha é nossa! Deus não vai forçar ninguém. A Palavra está sendo anunciada desde o princípio!)
Eu particularmente, escolhi deliberadamente, crê no Senhor e obedecê-Lo

Até a próxima!

Fica na paz!

É bom dá uma olhada aqui: A ESCOLHA SOBERANA DE DEUS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *