ABEL

Quem foi Abel?

  • Segundo filho de Adão e Eva: Gn 4.2.
  • Este nome significa sopro, vaidade ou um vapor.
  • Mencionado no NT: Mt 23.35; Lc 11.51; Hb 12.24; 1Jo 3.12.
  • Um tipo de Cristo; era pastor, foi morto por seu irmão, e seu sangue tem uma forte voz.
  • Muitos eruditos acreditam que Caim e Abel eram gêmeos.
  • Mencionado na lista dos heróis da fé: Hb 11.4.
  • Considerado o primeiro mártir da história: Mt 23.35.
  • Sua fé: Hb 11.4.
  • Sua justiça: Mt 23.35.
  • Sua piedade: 1Jo 3.12.
Após sua expulsão do jardim, Adão e Eva tiveram dois filhos: Caim, o lavrador, e Abel, o pastor.
O momento das ofertas e a diferença entre elas
No momento adequado cada um deles trouxe sua oferta a Deus. A de Abel foi aceita, mas não a de Caim. Não foi o que Abel ofereceu, mas sua fé (Hb 11.4) que tornou sua oferta aceitável. A oferta de Caim é mencionada primeiro (Gen 4:3). Ele era agricultor e trouxe uma oferta do fruto da terra. Ao ler o texto, alguém pode ter a impressão de que Caim foi o mais entusiasmado em ofertar ao Senhor, por ter sido o primeiro. Mas essa não foi a realidade. Caim teve uma atitude de arrogância, ao entregar ao Senhor parte do que ele tinha produzido e que não lhe havia custado nenhum esforço extra, considerando que aquilo para Deus era suficiente. Fez sua oferta do modo que quis, achando que Deus era obrigado a aceitar os seus termos. A atitude de Caim foi de apatia e indiferença. Foi muita negligência Caim oferecer ao Senhor o resto do que produziu, o resto de seu tempo, o resto de sua atenção. Deus não se agrada de restos.

A diferença entre a oferta de Caim e de Abel não era o produto em si, mas o modo como foram preparadas. Hebreus 11:4 diz que pela fé, Abel ofereceu uma oferta mais extraordinária que a de Caim. Abel preparou sua oferta com fé, visando a vontade de Deus como regra indispensável. Abel preparou sua oferta com zelo, cuidadosamente separando ao Senhor o que tinha de melhor: as primeiras e melhores crias de seu rebanho.
Diante dessa história, muitos podem pensar o quanto Deus foi exigente na avaliação da oferta dos dois irmãos. Mas não podemos nos esquecer: Deus não é como o homem; o homem vê aparência, mas Deus olha o coração (I Sam 16:7). I João 3:12 nos diz que o coração de Abel era justo, mas o de Caim era mau. Em Mateus 23:35, Jesus cita Abel como justo e compara Caim com os fariseus hipócritas.
Concluímos, então, que, aparentemente, as ofertas de Caim e de Abel teriam o mesmo valor: parte do trabalho e da produção deles. Mas quando Deus analisa motivação do coração, vemos que as ofertas são totalmente diferentes.
Porém, Deus também é bondoso e misericordioso e não deseja que ninguém pereça, mas que todos cheguem ao arrependimento. Na história, vemos que Deus insiste para que Caim investigue a causa de sua oferta não ter sido aceita. “Se você fizer o bem, não será aceito?”

O ressentimento amargurado de Caim demonstra uma atitude bastante diferente. Como os profetas dirão sempre de novo: Deus não pode ser comprado por sacrifícios. Ele quer que o ofertante também faça “o que é certo” (v.7 de Gn 4.) A fé verdadeira não pode  ser separada do comportamento correto.

Caim matou Abel (não se precisa muito para passar da rebelião ao assassinato) e Deus o condenou a uma vida nômade, dando-lhe, porém, proteção contra a morte.
Até a próxima! Paz

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: